4 de nov de 2011

Sociedade Brasileira de Psicologia oficializa apoio ao PL 7672/2010

 

41º Reunião Anual da SBP

 

 

 

 

A 41º Reunião Anual Sociedade Brasileira de Psicologia aprovou por unanimidade o apoio ao Projeto de Lei 7672/2010.

 

 

Carta de apoio à Rede Não Bata Eduque

 

Ribeirão Preto, 01 de novembro de 2011.

Informo que em Assembléia Geral realizada em Belém do Pará, aos 27/10/2011, durante a 41º. Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP), nossos associados votaram de modo unânime pelo apoio à aprovação da SBP ao Projeto de Lei no. 7672/2010 que estabelece o direito da criança e do adolescente de serem educados e cuidados sem o uso de castigos corporais ou tratamento cruel e degradante, uma vez que as pesquisas na ciência psicológica tem apontado de modo inequívoco o prejuízo individual para a saúde do ser humano das práticas violentas, seja tal violência praticada por parte de pais ou cuidadores ou por profissionais de diversas instituições.

Adicionalmente, as práticas violentas podem estar associadas ao surgimento de comportamentos agressivos por parte da criança ou do adolescente vitimizados, tendo tal decorrência um custo altíssimo para a sociedade em geral. A Sociedade Brasileira de Psicologia se une aos esforços da sociedade civil para auxiliar nessa mudança paradigmática, pois temos concordância nas pesquisas psicológicas de como educar os filhos e demais crianças e adolescentes sem a utilização do castigo corporal de modo que cresçam felizes, produtivos e saudáveis.

Dr. Paula Gomide SBP

 

 

 

Atenciosamente,
Profa. Dra. Paula Gomide
Presidente da SBP

 

SBP logomarca

 

Sociedade Brasileira de Psicologia
Rua Florêncio de Abreu, 681 sala 1102 - CEP 14015-060 - Fone: (16) 3625.9366 - Ribeirão Preto - SP – Brasil.
www.sbponline.org.br - e-mail: sbp@sbponline.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)