28 de jan de 2018

Pequena Memória Para Um Tempo Sem Memória - Gonzaguinha



Pequena Memória Para Um Tempo Sem Memória

Memória de um tempo onde lutar
Por seu direito
É um defeito que mata
São tantas lutas inglórias
São histórias que a história
Qualquer dia contará
De obscuros personagens
As passagens, as coragens
São sementes espalhadas nesse chão
De Juvenais e de Raimundos
Tantos Júlios de Santana
Uma crença num enorme coração
Dos humilhados e ofendidos
Explorados e oprimidos
Que tentaram encontrar a solução
São cruzes sem nomes, sem corpos, sem datas
Memória de um tempo onde lutar por seu direito
É um defeito que mata
E tantos são os homens por debaixo das manchetes
São braços esquecidos que fizeram os heróis
São forças, são suores que levantam as vedetes
Do teatro de revistas, que é o país de todos nós
São vozes que negaram liberdade concedida
Pois ela é bem mais sangue
Ela é bem mais vida
São vidas que alimentam nosso fogo da esperança
O grito da batalha
Quem espera, nunca alcança
Ê ê, quando o Sol nascer
É que eu quero ver quem se lembrará
Ê ê, quando amanhecer
É que eu quero ver quem recordará
Ê ê, não quero esquecer
Essa legião que se entregou por um novo dia
Ê eu quero é cantar essa mão tão calejada
Que nos deu tanta alegria
E vamos à luta.

Gonzaguinha


27 de jan de 2018

A importância de ouvir o relato bruto das ginastas olímpicas abusadas nos EUA - El país




Os pais de Kyle Stephens eram os melhores amigos de Larry Nassar. A amizade com seus progenitores, que foram levados por ele a acreditar que a menina inventara os abusos, não impediu que a agredisse sexualmente. Getty


Vozes que pedem eco

"Dissestes que se tua voz tivesse força igual à imensa dor que sentes,  teu grito acordaria não só a tua casa, mais a vizinhança inteira".

Há tempos - Legião Urbana


De todas as crianças e adolescentes que atendi, guardei fragmentos de esperança e beleza. Com seus olhos compridos em direção aos brinquedos da sala de terapia, elas perguntavam meio que num rasgo de liberdade:

_ “Posso brincar”?
_ “Posso gritar, mas gritar bem alto aqui na sala”?
_ “Não preciso falar daquilo agora, ou preciso”?

Na vontade expressa de brincar, de sonhar, de poder ir até o limite de sua voz, sem coerção; e no desejo de não falar, sempre, de sua ferida, um importante aprendizado ficou! Essas pequenas criaturas me conduziram como terapeuta a um caminho “sagrado”: o da infância. Nesse caminho percebi que a alegria, o prazer e o encantamento seriam potentes bálsamos para a dor. Mas percebi também, que teria que suportar, sem panos quentes, a visão, o cheiro e a cor da ferida. Teria que atravessar descalça o deserto de seus dramas. (Cida Alves – artigo completo AQUI)

__________ 



A importância de ouvir o relato bruto das ginastas olímpicas abusadas nos EUA


“Sou adulta e estou escutando”, disse a juíza Aquilina para as vítimas, mais de 150 moças. Magistrada queria que os relatos das agredidas pelo médico Larry Nassar se ampliasse

 

Por Begoña Gómez Urzaiz - El País
Ela já era bem conhecida no seu condado. Por usar o cabelo preso e usar botas de caubói junto com a toga, por ter ganho durante seus 20 anos de serviço militar o apelido de “Barracuda” – o mesmo de Sarah Palin – e pelos discursos que acopla a algumas de suas sentenças. Agora, a juíza Rosemarie Aquilina está ganhando fama internacional pela maneira como está conduzindo o julgamento do caso Larry Nassar, o médico da federação de ginástica dos Estados Unidos acusado de mais de uma centena de abusos de menores.








A assistente do procurador geral enxuga as lágrimas ao ouvir um dos depoimentos.
A assistente do procurador geral enxuga as lágrimas ao ouvir um dos depoimentos. Getty

A previsão inicial era de que 88 vítimas depusessem no julgamento, mas Aquilina dilatou em vários dias a sua duração, o que levou a que mais de 150 mulheres que sofreram abusos do médico, algumas delas desde os seis anos de idade, deverão contar suas experiências, além de seus pais e treinadores. Tudo aquilo que se quis expor teve espaço para ser ouvido. A condenação de Nassar, ao final, foi de 40 a 175 anos de prisão.
Após cada depoimento, a magistrada não se limita a agradecer à vítima, mas também dedica a cada uma delas algumas palavras especiais de estímulo. “A Mattel deveria criar bonecas com os rostos de cada uma de vocês para que as meninas pudessem olhá-las e dizer: quero ser igual a ela”, disse ela, por exemplo, para Bailey Lorencen, a quem chamou de “super-heroína”. Também observou que não existe no Exército ninguém tão forte como ela, depois que Lorencen, que tem 22 anos e começou a sofrer nas mãos de Nassar aos oito, dissesse o seguinte, em relação ao médico: “Nunca quis odiar ninguém na minha vida, mas o meu ódio de você é incontrolável. Trabalhei para perdoá-lo porque é o que Deus quer, mas por enquanto deixo isso com Ele”.







A juíza Rosemarie Aquilina, que ficou famosa internacionalmente por causa de sua postura no julgamento de Nassar.
A juíza Rosemarie Aquilina, que ficou famosa internacionalmente por causa de sua postura no julgamento de Nassar. GETTY

A juíza causou surpresa por adotar um tom mais próximo do de uma terapeuta do que de uma magistrada, algo que tem feito com total consciência. “Deixe a sua dor aqui. Depois saia e faça coisas maravilhosas”, disse às moças. Ou, então, “você não está destruída. Você é forte. É a voz de muita gente. Não é uma vítima, e não permita que isso a defina”. “Sou adulta e estou escutando. Quero que saiba que me importo com você. Para mim, você tem um nome”, promete. Para uma outra vítima, ela recordou: “Você vale a pena. É um ser humano valioso e tem de se sentir assim”.




Aquilina se esforçou o tempo todo para tornar a experiência a mais incômoda possível para Nassar, a tal ponto que ele chegou a lhe enviar uma carta de seis páginas queixando-se de que estava se sentindo perturbado emocionalmente ao ouvir os depoimentos e classificando o julgamento como “um circo midiático”. Ela lhe respondeu expedita: “Passar quatro ou cinco dias a ouvi-las é algo menor, em relação às horas de prazer que o senhor teve à custa delas e que lhes arruinou a vida”.

“O mundo inteiro está ouvindo vocês”, costuma lembrar a juíza às vítimas que decidem falar. E não está mentindo. O julgamento pode ser acompanhado em streaming e alguns dos depoimentos continuam a chocar as pessoas e permitem que se tenha uma ideia dos métodos usados por Nassar, que conseguiu praticar os seus abusos de poder com o amparo da Federação de Ginástica, que nunca agiu, voltando os olhos para outro lado quando as primeiras denúncias apareceram. Aly Raisman, três vezes medalhista de ouro nos jogos Olímpicos, denunciou essa situação em seu depoimento. Ela disse que a elite desse esporte estava “podre por dentro” e que “se um único adulto tivesse escutado e tido coragem de agir, essa tragédia poderia ter sido evitada”. Dirigindo-se ao seu carrasco, ela acrescentou: “Larry, você agora está percebendo que nós, esse grupo de mulheres de quem você abusou por tanto tempo, temos a força, e você não é mais nada”. Sobre a carta em que ele se queixava, ela diz: “Você é patético ao acreditar que alguém possa sentir alguma empatia por você. Se isso tudo é duro para você, como acha que foi para nós?”








Uma das vítimas é consolada pelo marido ao depor.
Uma das vítimas é consolada pelo marido ao depor. GETTY

As companheiras de Raisman na equipe olímpica que também se disseram vítimas de Nassar, Simone Biles, McKayla Maroney e Gabby Douglas, não passaram pelo julgamento que ocorrem em Lansing, Michigan, mas no seu lugar foram ouvidas dezenas de meninas anônimas que descreveram como o médico as penetrou com os dedos, algumas vezes com seus próprios pais presentes no local, afirmando que com esse tratamento se evitava uma cirurgia. Foi o caso de Whitney Mergend, que tinha 11 anos quando começou a se consultar com Nassar e que afirmou aos pais que os perdoava por não a terem protegido. Ou o de Martha Stern, que hoje é médica e contou que tinha Nassar como um herói mesmo que saísse de suas consultas sentindo dores, tendo até hoje dificuldades para realizar atos sexuais.







A assistente do procurador geral enxuga as lágrimas ao ouvir um dos depoimentos.
A assistente do procurador geral enxuga as lágrimas ao ouvir um dos depoimentos. GETTY

“Durante os tratamentos, ele mantinha uma mão na parte inferior das minhas costas, massageando, e a outra entre as minhas pernas, com seus dedos dentro de mim. Eu chorava, porque doía, mas ele dizia que precisava enfiar bastante”, relatou Clasina Syrovy, que, como muitas outras meninas, inicialmente defendeu Nassar e se negava a se colocar na situação de vítima.

Várias delas depois declararam à imprensa que o processo as fortaleceu e que tem sido terapêutico. Algumas assinaram uma carta aberta em que agradecem o fato de lhes estar sendo dado esse espaço. “Frequentemente se faz com que as mulheres sintam que não são ouvidas ou levadas a sério. A senhora fez o contrário, não só ao escutá-las, mas também ao acreditar nelas. Isso transmite uma mensagem importante para as vítimas de crimes semelhantes, a de que a sua voz é importante”, dizem.







A mãe de uma das vítimas lê um texto perante a juíza.
A mãe de uma das vítimas lê um texto perante a juíza. GETTY

Quando o julgamento chegar ao fim, o mais provável é que Rosemarie Aquilina retome o seu relativo anonimato nos julgamentos de Michigan. Ao final de sua jornada de trabalho, ela se dedica aos seus gêmeos de três anos. A juíza também tem vários filhos adultos que a vêm como uma avó.