22 de jul de 2019

Festa - Gonzaguinha



Festa

Sol vermelho é bonito de se ver
Lua nova no alto, que beleza
Céu de azul bem limpinho, é natureza
Em visão que tem muito prazer
Mas o lindo pra mim é o céu cinzento
Com clarão entoando o seu refrão
Prenúncio que vem trazendo o alento
Da chegada das chuvas no sertão
Ver a terra rachada amolecendo
A terra antes pobre enriquecendo
O milho pro céu apontando
O feijão pelo chão enramando
E depois pela safra que alegria
Ver o povo todinho no burgão
A negrada caindo na folia
Esquecendo da mágoas sem ludú
Belo é o Recife pegando fogo
Na pisada do maracatu

Gonzaguinha











Ilustração: Chuva de Caribé

15 de jul de 2019

A Terra - Os Sertões - Teatro Oficina



“Nostalgia e revolta: tu não imaginas como andam propícios os tempos a todas as mediocridades. Estamos no período hilariante dos grandes homens-pulhas, dos Pachecos empavesados e dos Acácios triunfantes. Nunca se berrou tão convictamente tanta asneira sob o sol! [...] É asfixiante! A atmosfera moral é magnífica para batráquios. Mas apaga o homem.” 

Euclides da Cunha carta a Otaviano Vieira, 8 ago. 1909.




7 de jul de 2019

Maria Baderna, sapatilhas contra muros



“Eu tenho uma nhanhazinha
De quem sou sempre moleque
Ela vê me estar ardendo
E não me abana c’o leque.”







Foto do Espetáculo-Intervenção 'BadeRna' que retrata a história da dançarina Marietta Baderna com Luaa Gabanini

30 de jun de 2019

"Não maltrate nunca minha fragilidade" (Pedro Guerra e Jorge Drexler) - Ipês brancos em memória do menino Bruno Diogo


“Cuídame

Cuida de mis labios,
Cuida de mi risa.
Llévame en tus brazos,
Llévame sin prisa.

No maltrates nunca mi fragilidad,
Pisaré la tierra que tú pisas.

Cuida de mis manos,
Cuida de mis dedos.
Dame la caricia,
Que descansa en ellos.

No maltrates nunca mi fragilidad,
Yo seré la imagen de tu espejo.

Cuida de mis sueños,
Cuida de mi vida.
Cuida a quién te quiere,
Cuida a quién te cuida.

No maltrates nunca mi fragilidad,
Yo seré el abrazo que te alivia.

Cuida de mis ojos,
Cuida de mi cara.
Abre los caminos,
Dame las palabras.

No maltrates nunca mi fragilidad,
Soy la fortaleza de mañana”.

Pedro Guerra e Jorge Drexler














Ipês brancos plantados na praça do setor Real Conquista (Goiânia - Goiás) em homenagem ao menino Bruno Diogo que aos dois anos e oito meses morreu após ser brutalmente espancado e violado sexualmente por mãe e padrasto. Atividade do Dia Nacional pela Educação sem violência em Goiânia, 26 de junho de 2019.
































Foto: Daniel Raylander - Atividade do Dia Nacional pela Educação sem violência em Goiânia, 26 de junho de 2019