27 de mai de 2016

ÉCORCHÉ* da Cultura do Estupro, dissecando o discurso que culpa e pune a vítima - Cida Alves


“Nunca vi uma mulher ser estuprada lavando louça na cozinha”

Sórdido comentário feito em rede social sobre o estupro coletivo cometido contra uma menina de 16 anos na Zona Oeste do Rio de Janeiro

_____________________


Uma frase curta que encerra em si toda uma cultura, a naturalização da violência contra os corpos femininos. Corpos que são entendidos como públicos, que todos podem ter acesso, passar a mão na rua, encoxar no ônibus ou no trem, exibir como troféu de predador mor por meio de vídeos e fotos íntimas e até mesmo violentar se a situação for favorável (ver abaixo reportagem sobre estudo liderado pelo professor Sarah Edwards e publicado em Violence and Gender).

Na cultura do estupro o corpo da mulher é público. Entretanto, sua condição feminina exige o claustro da vida privada.  Às mulheres é negado o espaço público, pois este é o lugar legítimo da vida política e da cidadania dos homens livres. Sob a égide da cultura do estupro, as mulheres não acenderam ainda à condição de cidadãs livres, são meros objetos sexuais, servas dos trabalhos domésticos, que devem limitar suas vidas às sombras do mundo privado. 

Para além da delimitação do espaço público e privado, a pequena frase esconde um mito e ostenta uma ameaça. O mito de que as violências ocorrem apenas no espaço público, na rua e que os algozes são os estranhos.

NÃO, CARA PÁLIDA! 
Pesquisas nacionais e internacionais já desmascaram essa mentira há mais de três décadas. Mais de 70% das violências sexuais, especialmente as que são cometidas contra crianças e adolescentes, ocorrem na esfera doméstica. Violências que são cometidas dentro de casa quando as meninas estão lavando louças, esfregando o chão, tomando banho, brincando com suas bonecas, dormindo em suas camas.... Infelizmente para nós mulheres não existe um lugar plenamente seguro.

A BÉLICA AMEAÇA!
A violência sexual é também uma arma de combate à emancipação e autonomia feminina. A violência sexual cometida contra as mulheres serve muito bem ao moralismo patriarcal. Parece uma contradição, mas de fato não é, o moralismo, a repressão sexual e as violências sexuais são diferentes faces da mesma moeda. O moralismo e a repressão sexual têm por finalidade inibir ou bloquear a liberdade sexual das mulheres. A violência sexual por vezes assume a função de punir as manifestações de avanço e liberdade sexual das mulheres. Nesse sentido, o estupro é uma “lição”, tem feito pedagógico. Por mais cruel que seja, ele é muito oportuno à moral patriarcal. Com o estupro fica dado o recado: 

- tá vendo menina, quem mandou querer ser uma igual a nós homens. Você não é cidadã. Você não é livre, nós que é mandamos no pedaço e podemos fazer com seu corpo o que bem entendermos.


Cida Alves
Goiânia, 27 de maio de 2016


_________________


*ÉCORCHÉ – ESTUDOS DE ANATOMIA

Grande parte dos artistas que retratam a figura humana buscam conhecimento de anatomia para entender a estrutura que sustenta o corpo, a disposição dos ossos, o funcionamento das articulações, a origem e inserção dos músculos, acúmulos de gorduras, veias e tudo aquilo que constitui a figura que estão vendo e que buscam representar.

Ilustração: écorchés feito a partir de dissecação capturado no blog Ars Disegno

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)