4 de abr de 2013

Os Cinco Olhos do Diabo: os castigos corporais nas escolas do século XIX

Estimado (a) Leitor (a),

Compartilho com você o artigo de Daniel Cavalcanti de Albuquerque Lemos, “Cinco olhos do diabo”, que discute o uso dos castigos corporais nas escolas do século XIX.

 

Cinco olhos do diabo

“O pior que ele podia ter, para nós, era a palmatória. E essa lá estava, pendurada do portal da janela, à direita, com os seus cinco olhos do diabo. Era só levantar a mão, dependurá-la e brandi-la, com a força do costume, que não era pouca” (Assis, 1959, p. 534).

 


Daniel Cavalcanti de Albuquerque Lemos

RESUMO – Os Cinco Olhos do Diabo: os castigos corporais nas escolas do século XIX. O presente trabalho analisa a prática de castigos corporais nas escolas primárias da Corte, investigando-a como forma de disciplinar, constituir e consolidar uma determinada cultura escolar, aqui entendida como um conjunto de normas, posturas e condutas impostas aos jovens, como forma de se obter uma disciplinarização do corpo e do espírito. A Palmatória, foi um objeto que assim como o livro, o quadro, a pena, marcou sua presença na escola e no imaginário da sociedade sobre a escola. Ao ponto de serem retratadas na literatura da época. Analiso fontes que demonstram os rumos da discussão acerca dos castigos corporais, os limites da autoridade do professor e a intervenção da sociedade nesse debate.

Palavras-chave: Castigos Corporais. Disciplinarização. História da Educação.

Acesse o artigo completo AQUI


REFERÊNCIA:

ASSIS, Joaquim Machado de. Conto de Escola. In: ASSIS, Joaquim Machado de. Obra Completa, v. 2. Rio de Janeiro: Aguilar, 1959. P. 532-537.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)