26 de mar de 2012

Estupidez é uma arma letal por Fernando Gabeira

 

“Será incorporado aos códigos penais o crime de estupidez para aqueles que cometem” (Eduardo Galeano, El Derecho al Delirio)

Sem Título-1.jpg

A morte do estudante brasileiro Roberto Laudásio Cuti, assassinado pela polícia da Austrália, em Sidney, merece uma atenção especial no Brasil.

Já tivemos o caso de Jean Charles de Menezes, assassinado pela policia britânica em Londres. Jean foi confundido com um suspeito de terrorismo.

Já Roberto, foi confundido com um homem que roubou um saco de biscoito. Os policiais australianos usaram uma arma não letal, dessas que disparam choques elétricos.

Acontece que dispararam três choques de 400 wolts e possivelmente paralisaram o sistema respirátorio de Roberto.

Fernando Gabeira

 

 

 

 

A primeira licão é clara: não há armas não letais quando entra em cena a estupidez humana. Tudo fica muito perigoso.

 

Mas é importante que o Brasil estude esses casos. Todos os países orientam seus cidadãos em situações especiais.

Tanto os imigrantes como os jovens que saem para estudar precisam ser orientados. No entanto, a única indicacão que salta, no primeiro exame, é que ambos, assustados, tentaram evitar a abordagem da polícia.

Decisiva também sera a reação do Brasil. Atirar contra suspeitos, como na Inglaterra, ou disparar tres cargas elétricas contra uma pessoa, é um absurdo.

O Brasil tem caminhos para protestar e foruns internacionais para isso. Por que é que Ministra Maria do Rosário, dos Direitos Humanos, não para um pouco para pensar nos brasileiros no exterior e procure uma forma de ajudá-los.

 

Fonte: www.gabeira.com.br

Colaboração de Eleonora Ramos, jornalista e coordenadora do Projeto Proteger – Salvador/ Bahia em 21 de março de 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)