28 de set de 2011

Câmara inicia discussões sobre proibição de castigos corporais em crianças e adolescentes

 

Primeira Audiência - Castigos Corporais 023

 

O Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente), CNJ (Conselho Nacional de Justiça), CNS (Conselho Nacional de Saúde) e CNAS (Conselho Nacional de Assistência Social) foram ouvidos nesta terça-feira (27) pela Comissão Temporária instalada para analisar o Projeto de Lei 7.672/2010, que proíbe a aplicação de castigos corporais em crianças e adolescentes. Essa é a primeira das seis audiências que devem ser realizadas até dezembro, data na qual devem ocorrer a apresentação do parecer final e a votação.

Participaram da audiência Clovis Adalberto Boufleur, coordenador da Comissão de Atenção Integral à Saúde da Criança, do Adolescente e do Jovem do CNS; Maria de Lourdes Magalhães, representante do Ministério da Saúde e Conselheira do Conanda; Carlos Eduardo Ferrari, presidente do CNAS; Daniel Issler, juiz auxiliar da presidência do CNJ; outros representantes de entidades voltadas ao assunto e deputados.

 

Teresa Surita_Beto_Oliveira

Deputada Tereza Surita, relatora do projeto de lei 7672/2010.

Para a deputada Teresa Surita (PMDB/RR), relatora do projeto, é contraditório que haja uma lei para proteger os maus tratos a animais e ainda não exista nenhum dispositivo para proteger as crianças e adolescentes da violência doméstica. “Precisamos nos preocupar com os avanços necessários para que nossos meninos e meninas sejam educados sem castigo corporal cruel ou degradante”, afirmou a parlamentar, citando o caso de Isabella Nardoni, que foi jogada do 6º andar do edifício London, em São Paulo, em março de 2008.

Para Carlos Eduardo Ferrari, este projeto é o pontapé inicial para a mudança de relação entre as pessoas. “O grande desafio é esclarecer essa lei de uma forma que a população compre essa idéia”, afirmou, acrescentando ainda que a aprovação e aplicação da medida podem significar uma nova perspectiva de educação.

PL 7.672/2010 - O projeto é de autoria do Executivo e acrescenta ao ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), entre outros, o artigo 17-A, que dá às crianças e adolescentes o direito de serem cuidados e educados pelos pais ou responsáveis sem o uso de castigo corporal ou de tratamento cruel ou degradante.

Serão realizadas, até o final de novembro, seis audiências públicas para ouvir sobre o assunto especialistas, sociedade civil, governo e outras entidades.

Nenna Tyeko: (95) 9127-6950

Willame Sousa: (61) 9818-5303

Assessoria de Comunicação

Deputada Teresa Surita (PMDB-RR)

Um comentário:

  1. Parabéns pelas dicas e artigos de ótima qualidade do seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver como por site no Google

    ResponderExcluir

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)