10 de mar de 2016

'Hoje, no Dia Internacional da Mulher, faz 10 anos que fui estuprada'


Hoje, Dia Internacional da Mulher, ironicamente faz 10 anos que fui estuprada.
Foi exatamente nesta data.
Eu tinha 16 anos, estava indo pra escola de uniforme e mochila, quando um homem, de dentro do carro, me pediu informações.
Eu não sabia ajudar, por isso segui meu caminho.
Até que uma rua a frente, muito mais deserta, só me lembro de levantar a cabeça e dar de cara com ele descendo do carro e encostando um revolver na minha barriga, mandando ficar quieta e entrar.
Eu ainda lembro que sentei no banco da frente, desesperada, olhava minhas unhas, que tinham florzinhas.
Eu era uma menina.
Ele queria saber minha idade, onde ia e se era virgem. Ele tinha preferência por virgens.
Por umas três horas, fui refém dele.
Por um momento, achei que fosse morrer.
E estava tão pronta pra morrer que quase disse "pode me matar".
Eu tinha só 16 anos e ia morrer porque alguém queria fazer sexo comigo contra minha vontade.
Não bastasse o fato em si, tive que lidar com as inúmeras burocracias de atendimento médico e delegacia.
Passei a madrugada inteira com aquele uniforme sujo, tentando encontrar o hospital público que me daria um coquetel pra HIV -- um procedimento padrão de segurança, que não existe no convênio.
Ao amanhecer, ainda sem dormir, fiquei horas na fila da perícia médica, aguardando um exame que atestasse que eu havia sido violentada.
Aos 16 anos, eu comecei a trabalhar pra ocupar o tempo ocioso, ocupar minha cabeça das coisas que eu queria esquecer.
Foi bom.
Apesar de tremer o corpo inteiro quando um homem estranho se aproximava de mim.
Virei notícia no jornal, virei fofoca do colégio.
Fiz tratamentos, tive alta dos tratamentos.
Fiz perícias, prestei depoimentos, reconheci os locais, o carro, fiz exame de DNA.
Ele fez outras vítimas.
Ele recebeu uma intimação por carta e claro, ele fugiu, e eu nunca quis ocupar minha vida indo atrás disso. Nunca quis punição nem morte.
A vida se encarrega.
O karma, o capeta, que seja.
O que eu gostaria de dizer, com isso tudo, é que existem mais mulheres violentadas do que você imagina.
Sim, essa pessoa que senta do seu lado no trabalho pode ter sido estuprada, porque existe a naturalização do estupro e do abuso contra a mulher.
E isso começa de um jeitinho muito sutil, até se revelar o ato físico, como no meu caso.
Eu superei essa história e não tenho vergonha de conta-la, ainda que meia dúzia dos meus amigos e familiares saibam disso.
Mas é que em meio de tantos, TANTOS HOMENS (e MULHERES) alheios a essa realidade, me vi na obrigação de falar.
Então você (seja homem ou mulher), quando notar uma mulher sendo abusada de alguma maneira, ajude!
Não se finja de morto quando vir abuso no ônibus, quando ouvir sua vizinha gritando, quando seu filho postar vídeo de sexo da namorada ou quando seu chefe fizer piada com o tamanho da saia das mulheres que trabalham com você.
Nós não vamos responder à violência masculina com violência. Vamos tentar, todos os dias, tornar nossa convivência melhor e mais digna.
Então vamos abusar dos posts chatos, discursos, hashtags e tudo que sirva pra desconstruir esse pensamento machista tão natural que chega ser invisível.
NÃO INCENTIVE o abuso, não naturalize o estupro. Isso não é normal. Suas mães, irmãs, namoradas, amigas, esposas e todas as mulheres agradecem!
















Gabriela Araújo - Jornalista e social media da revista Istoé





Fonte: Brasilpost, em 8 de março de 2016.

Foto capturada no blog AdesivosbyDani,

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)