16 de out de 2013

“Enfrentamento da violência e o compromisso ético e político da Psicologia”– Tema da conferência de abertura da V JORNADA INTERDISCIPLINAR DO CURSO DE PSICOLOGIA da UNIP

Palestra Cida Alves V Jornada da Faculdade de Psicologia da UNIP

Cida Alves, representante da Divisão de Vigilância as Violências e Promoção da Saúde - Departamento de Epidemiologia/Diretoria de Vigilância em Saúde (SMS Goiânia), expõe as estatísticas que revelam o impacto da violência física na saúde e reflete sobre o papel da psicologia no enfrentamento das violências.

 

Palestra Cida Alves V Jornada da Faculdade de Psicologia da UNIP 6

A conferência de abertura foi coordenada pela Profa Dra. Cristina Vianna – Faculdade de Psicologia da UNIP – Goiânia. 

 

Palestra Cida Alves V Jornada da Faculdade de Psicologia da UNIP 9

Auditório da UNIP - V JORNADA INTERDISCIPLINAR DO CURSO DE PSICOLOGIA da UNIP - Diálogo interdisciplinar no enfrentamento à violência. Goiânia, em 16 de outubro de 2013.

 

Palestra Cida Alves V Jornada da Faculdade de Psicologia da UNIP 8

Papel da Psicologia, alguns destaques:

  • Contribuir com a construção de conhecimentos - teorias e práticas, civilizatórios que libertem o homem das relações de dominação-sujeição;
  • Promover a ruptura com a violência simbólica, reconhecendo valor e igualdade nos diferentes;
  • Solidificar uma postura de compromisso real com a vida e o desenvolvimento dos sujeitos.

 

Palestra Cida Alves V Jornada da Faculdade de Psicologia da UNIP 4

Cida Alves ao lado de Juliana De Moura Borges, professora e coordenadora da V JORNADA INTERDISCIPLINAR DO CURSO DE PSICOLOGIA da UNIP - Diálogo interdisciplinar no enfrentamento à violência e  da professora Patrícia Bento Gonçalves Philadelpho, coordenadora da Faculdade de Psicologia da UNIP.

 

Palestra Cida Alves V Jornada da Faculdade de Psicologia da UNIP 11

“Viver é comover-se” (MANEN, 2010).

Para Manen viver é mover-se com o outro. Inspirada no pensamento desse autor, entendo que a finalidade central de nosso ofício é construir uma presença cuidadora e protetiva que auxilie o outro a dar marcha a sua vida.  Em essência somos profissionais do vínculo e da comoção, portanto, faz-se necessário  o “comover-se com outro, participar de sua existência, deixa-se tocar pela sua história de vida [...] demora-se no outro não pelas sensações que lhe produz, mas por amor*, pelo apreço de sua diferença e pela valorização de sua vida e luta” (BOFF, 1999, p. 118-119).

 


*O conceito de amor apresentado por Leonardo Boff não tem nada a ver com ideais românticos ou religiosos. Ele se aproxima mais da definição que Montagu dá a esse sentimento. Na compreensão de Montagu, o amor é o sentimento que promove a ação consciente e planejada de conferir a um outro os benefícios da sobrevivência, comunicando-lhe por gestos de cuidado real um sentimento de profundo envolvimento com o seu bem-estar (MONTAGU, 1978).

REFERÊNCIAS:

BOFF, Leonardo. Saber cuidar: ética do humano – compaixão pela terra/ Leonardo Boff. – Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

MANEN, Max Van. El tacto en la enseñanza. El significado de la sensibilidad pedagógica. 3º Edição. Editora: Paidós Educador. Barcelona, 2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)