16 de fev de 2016

Nota de repúdio feita pela ABRAPO contra a ação truculenta da polícia na desocupação da Secretaria Estadual de Educação de Goiás

Nota de repúdio feita pela ABRAPO- Associação Brasileira dos Advogados do Povo às ações antidemocráticas realizadas por este Estado Fascista.
A Associação Brasileira dos Advogados do Povo - ABRAPO vem a público manifestar repúdio a ação truculenta da polícia na noite do dia 15 de fevereiro, segunda-feira, na desocupação da Secretaria Estadual de Educação (SEDUCE). 
Há mais de dois meses escolas de Goiânia foram ocupadas em protesto contra a terceirização da educação pública estadual. O governo tratou os protestos de maneira totalmente autoritária, se negando ao diálogo e gastando milhões dos cofres públicos em propagandas enganosas, nas quais exaltavam as Organizações Sociais, de forma a colocar a população contra o movimento popular de defesa da escola pública. 
No dia 15 de fevereiro estava prevista a abertura dos envelopes com as propostas das Organizações Sociais, o que ocorreu a portas fechadas, violando o princípio da transparência, e ainda, em local diverso do previsto do Edital, caracterizando mais uma ilegalidade. 
Diante disso, estudantes ocuparam a SEDUCE no final da tarde, com o objetivo de protestar contra a abertura - ilegal - dos envelopes. A PM fez uma verdadeira operação de guerra para desocupar o prédio público, não permitindo o direito dos advogados acompanharem a operação. 18 maiores e 13 adolescentes foram detidos, sendo os maiores indiciados por dano qualificado e corrupção de menores. 
No momento, 15 deles (os homens) estão detidos na DEIC e 3 mulheres no 14 Distrito Policial. A previsão é que amanhã, dia 17/02, seja realizada audiência de custódia, onde o juiz poderá decidir pela possível liberação. 
Repudiamos a criminalização daqueles que lutam! O Estado escancara seu fascismo quando trata como criminosos aqueles que lutam por democracia e por uma educação pública de qualidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)