17 de abr de 2014

Bernardo Uglione Boldrini: mais uma morte anunciada!

De joelhos

“Mortes como a do menino Bernardo me aniquilam! Penso que toda vez que um ascendente - que a meu ver possui o compromisso civilizatório de proteger sua cria - mata seu descendente, todos os homens e mulheres da terra, independente de credos ou religiões, deveriam curvar seus joelhos no chão e pedir perdão a seus deuses ou ao universo por mais um fracasso da humanidade” (Cida Alves).



 

As violências físicas contra crianças e adolescentes apresentam um elevado risco de morte, pois a natureza dessa forma de violência implica no ataque ou na destruição do corpo da vítima. Nós, educadores, profissionais da saúde e da assistência social, promotores de justiça, agentes de segurança e juízes não podemos negligenciar as denúncias de violências físicas.

Há décadas, pesquisas internacionais evidenciam a magnitude e a letalidade[1] da violência física. Um exemplo é a pesquisa realizada na Inglaterra, com base nos óbitos registrados nos Serviços de Proteção à Infância, de 1991 e 1995. Os resultados dessa pesquisa indicaram que o número de mortes decorrente da violência física predomina em relação as outras formas de violência (apud AZEVEDO; GUERRA, 1995). A tabela abaixo ilustra essa predominância.

 

MORTES POR VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES


 

Tipo de Violência/Ano

1991

1992

1993

1994

1995

Negligência

5.600

6.200

6.800

8.300

8.900

Violência física

9.200

9.100

10.000

10.700

10.400

Violência sexual

5.200

5.600

7.100

8.100

7.500

Violência psicológica

2.600

2.800

3.500

4.400

4.700

Negligência, violência física e sexual

100

200

200

300

300

Negligência, violência física

900

1.000

1.100

1.300

1.400

Negligência, violência física

200

300

400

500

600

Violência física, sexual

400

500

600

800

800

Atenção máxima

21.100

12.900

2.700

500

300

Total

45.200

38.600

32.500

34.900

34.950


[1] Letalidade é um conceito utilizado pela epidemiologia que permite verificar a gravidade de um evento, ou seja, ela mede o risco de morte de um determinado evento. No caso em questão, a letalidade da violência física é calculada verificando-se, do total de crianças, adolescentes e jovens adultos vítimas de violência física, quantos foram a óbito por causa desse tipo de violência.

Obs.: Os casos constantes dos dados da tabela acima vão de zero a dezessete anos, cuja a população em 1992, na Inglaterra, era de 10.951.900.

Referência:

AZEVEDO, Maria Amélia; GUERRA, Viviane N. de Azevedo. Telecurso de especialização na área de violência doméstica contra crianças e adolescentes. São Paulo: Lacri/Ipusp, 1995.

Foto capturada no blog Paulo Suess


Avó Materna de Bernardo

Avó materna, Jussara Uglione, havia se oferecido para criar Bernardo. Foto: Claudio Vaz / Agencia RBS

 

Veja algumas reportagens sobre o Caso Bernardo Uglione Boldrini

Conselho Tutelar apurava desde 2013 denúncias de maus-tratos a Bernardo

Caso Bernardo: confira os passos do menino em busca de ajuda

Menino Bernardo pediu ajuda ao Ministério Público antes de morrer

Um comentário:

  1. Quanto mais eu estudo,quanto quanto mais eu trabalho com criança,quanto mais eu presencio violência infantil mais aumenta meu conflito interior de pessoa que busca resposta para minhas inquietações.Fico indignada com a situação e o tratamento que é dado as crianças dá uma vontade de reagir, fazer algo,ao mesmo tempo sou tomada por um sentimento de impotência frente essa realidade desumana!!!!!!

    DENILZA PEREIRA DOS REIS (CRIS) aluna do curso de pedagogia da UFG

    ResponderExcluir

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)