10 de out de 2010

Um ano de blog Educar Sem Violência



.
Parque Nacional Cañón del Sumidero - Tuxtla Guiterrez, Chiapas/ México









Nesta região do México aconteceu o mítico gesto dos índios Chiapas que preferiam saltar ao fundo do Sumidero (foto), antes de serem dominados pelos espanhóis. Como o personagem sem-pernas, do livro capitães de areia de Jorge Amado, que se joga do alto do elevador Lacerda (Salvador/BA) para não se render aos policiais, homens, mulheres e crianças Chiapas preferiam a morte à rendição.


Com essa postagem, em 10 de outubro de 2009, inicio as publicações do Blog Educar Sem Violência. Para comemorar essa data, compartilho com você leitor algumas reflexões sobre o que aprendi com os sobreviventes que acompanhei ao longo de meu trabalho como psicóloga.



¡Nuestra mayor venganza es ser feliz!






Marcas trágicas de la conquista del paraíso*
versão em português logo abaixo


(...) tú dices que aquí ocurrió el gesto mítico de los indios Chiapas. Según los informes, elles eligieron ir al fundo del Sumidero a entregarse a los españoles. Los hombres, mujeres e niños Chiapas preferieron la muerte a la rendición.


Del punto de vista romántico és muy bello el gesto de los chiapas! Pero, si pienso que la vida és el valor más preciso, ¿lo que debo hacer frente a los demás que quieren imperiosamente nuestra dominación? ¿Cómo lidiar con algo o alguien que quiere usurpar mi libertad y mi voluntad? ¿Sobre qué camino tomar y qué precio a pagar: la rendición por la supervivencia o el confort; o la muerte por la insurreición ?

Si la rendición es absoluta, muere a la integridad del ser y si no es permitido ningún tipo de subordinación, puede tomarse cómo el precio la destrucción del propio sujeto. Los dos extremos pueden ocasionar la muerte: del cuerpo o de la mente (psique).



¡Bueno, este dilema es la materia prima de mi oficio!


Mi trabajo es cuidar de la gente que tuvo la integridad de su cuerpo y su mente atacados. Normalmente, alguien muy cercano (padres, hijos o maridos) no respetaron los deseos, las necesidades, los sueños, las preferencias o los valores de sus hijos, sus esposas o sus padres ancianos.

No hay ligereza posible cuándo nos hemos comprometido a cuidar de aquellos que han sufrido o están sufriendo por la violencia. En estas situaciones, las salidas fáciles o rápidas son poco probables. En eso sentido, cómo profesional, no debo comprar o vender ilusiones de "Happy End” instantáneas y duraderos. En el territorio de las relaciones violentas reina la incertidumbre.


La vida es imprecisa, llena de contratiempos, pero también de buenas sorpresas .... Ajena a nuestros planes más elaborados, algunas veces, la vida usurpa nuestro poder de elección. Grandes o pequeños, fuertes o débiles, no importa, las fuerzas imponderables de la naturaleza o de la violencia humana hacen a todos vulnerables.

Además del dolor y de las perdidas relacionadas directamente con el episodio de violencia, algunas personas tienden a lamentar el hecho de no tener lograda su propia defensa. Mismo consciente de que fueron sometidas a una fuerza superior (arma letal, fuerza física o amenaza de ataque a la integridad física o moral de los seres queridos) se sienten humillados y ultrajados. Se sintiendo culpables tienden a repetir siempre las mismas preguntas:



¿Por qué no he conseguido huir?
¿Por qué no puedo reaccionar?
¿Cómo me he entregado pasivamente a la violencia?


Bueno, yo lo sé que pocas palabras tienen el poder de dar consuelo en este momento. Sin embargo, debo decir que hicieron el crucial en esta situación: ¡mantenerse vivas!

Vivas, teneremos el día de la mañana para intertarmos virar el juego y quién sabe dar la ultima riza. El respeto de la vida y la posibilidad de ser feliz exige de nosotros menos valentias y más sabiduría, arte y irreverencia. Como dice Hannah Arendt, el mayor enemigo del autoritarismo es, por tanto: “(...) el desprecio, y la manera más segura para sabotearla es la risa”.


Una experiencia interesante de resistencia la dominación en el Brasil fueron los "quilombos". Impulsados por el lema “mato ou morro”, los esclavos negros huyeron para regiones de “matas” (bosques) o “morros” (montañas)” tan inaccesibles que los “capitães do mato” (cazadores de negros) nunca podrían los encontrar.




La venganza no era la fuerza que condocía sus luchas! Entre la justicia y la libertad eligieron volar. Entre el triunfo, la supremacía y el prazer eligieron bailar.
Por lo tanto, simplemente ignorarán el sufrimiento del pasado y, simbólicamente, dijeron a sus antiguos señores: "hasta la vista baby". Dieron la espalda al pasado y siguieron adelante luchando por su vida y felicidad. Estos antiguos esclavos han creado la más bella lucha marcial que conozco: la “capoeira”. La confrontación de los capoeristas en realidad es una bella danza, sus giros y saltos se asemejan a los vuelos.








Para mí, la vida y obra de Frida Kahlo es también una expresión maravillosa de la resistencia a la arbitrariedad. Encarcelada en un cuerpo frágil y mutilado por un accidente de autobús trágico, no se resignó a ser una víctima del destino, de la circunstancia y mismo atrapada en una cama o silla de ruedas fue capaz de inventar una pintura innovadora y libertaria.
¡El arte, la fantasia, la imaginación y el humor! Alternativas posibles a la muerte y a la rendición. Para mi, ese es la enseñanza más importante de la vida de Frida Kahlo.



“Navegar es preciso,
vivir no es preciso”.
Fernando Pessoa

En mi trabajo no hay mapas de navegación precisos. Mi acto de cuidar incluye pocas certezas. Si embargo, una convicción llevo conmigo:

Aunque la experiencia es radicalmente terrible, las personas que no sucumben al desatino o la nulidad son los que no permitieron que el violador se convertiera en el dueño de su alma. En sus pensamientos y sentimientos, esas personas pelearon valientemente contra la visión de que las cosas son así, que la violencia siempre ha existido y existirá en el mundo. Recalcitrantes, no aceptaron la violencia como algo normal, natural ...No creeron que por alguna razón merecían sufrir. ¡No se resignaron al sufrimiento!

Mismo que totalmente impotente contra la violencia del otro, estas personas mantuvieron en alguna parte de su mente un territorio libre de la opresión.
¡No permitieron la colonización de su mente!

Hay entonces una oportunidad pequeña, pero decisiva, de salvaguardar nuestra integridad, nuestra naturaleza contra los excesos y las injusticias del mundo:

mantener dentro de nosotros mismos territorios libres de ocupaciones arbitrarias. Hay partes de nuestro ser que no se deben domesticar. Ellas no están sujetas a ajustes, porque eso significaría la muerte de nuestra identidad como persona.







Nuestra mente, nuestra imaginación son la última frontera de la resistencia,
como se ilustra la película “Precious: Based on the Novel Push by Sapphire” (Oscar 2010). Nuestros deseos, preferencias y sueños son indomables y requieren siempre un espacio para su expresión. Si no se puede expresálos en nuestro mundo real, donde hay nuestro trabajo, nuestros logros sociales y culturales o en la complicidad de nuestra vida intima – donde hay nostros amigos y amores, ¡podremos aún expresálos en nuestro fantástico mundo mental!




Nuestra mente es un sitio fencundo donde se puede germinar todos los encantos. Como una madre generosa, ofrece refugio temporal a los tormentos de la injusta realidad,
alimentóndonos de esperanza y de fuerza. Ya más fuerte, tendremos más posibilidades de dar la vuelta a la tortilla.

Por fim, deixo de presente a você a cena que mais me emocionou nos últimos tempos: a beleza e a força de um sobrevivento muito especial.





Assista também o documentário “Sobreviventes” de Miriam Chnaiderman e Reinaldo Pinheiro, ele é imperdível.



Versão em português do texto
"Marcas trágicas da conquista do paraíso".

Nossa maior vingança é ser feliz!

(...) me disse que aqui ocorreu o místico gesto dos índios Chiapas. Segundo os informes, eles escolheram se jogar ao fundo do Sumidero a se entregaram aos espanhóis. Os homens, mulheres e crianças Chiapas preferiram a morte à rendição.

Do ponto de vista romântico é muito belo o gesto dos Chiapas! Mas, se penso que a vida é o valor mais precioso, o que devo fazer frente aos demais que querem imperiosamente a nossa dominação? Como lidar com algo ou alguém que quer usurpar minha liberdade e minha vontade? Que caminho tomar e que preço pagar: a rendição pela sobrevivência ou o conforto; ou a morte pela insurreição?

Se a rendição é absoluta, morre a integridade do ser e se não é permitido nenhum tipo de subordinação, pode ter como preço a destruição do próprio sujeito. Os extremos podem ocasionar a morte: do corpo ou da mente (psique).

Bem, este dilema é a matéria prima de meu ofício!

Meu trabalho é cuidar das pessoas que tiveram a integridade de seu corpo e de sua mente atacados. Normalmente, alguém muito próximo (pais, filhos ou maridos) não respeitaram os desejos, as necessidade, os sonhos as preferências ou os valores de seus filhos, de suas esposas ou de seus pais idosos.

Não existe leveza possível quando nos comprometemos em cuidar daqueles que sofreram ou sofrem pela violência. Nestas situações, saídas fáceis ou rápidas são pouco prováveis. Nesse sentido, como profissional, não devo comprar ou vender ilusões de “Happy End” instantâneos ou duradouros. No território das relações violentas reina a incerteza.

A vida é preciosa, cheia de contratempos, mas também de boas supresas... Alheia a nossos planos mais elaborados, algumas vezes, a vida usurpa nosso poder de escolha. Grandes ou pequenos, fortes ou fracos, não importa, as forças imponderáveis da natureza ou da violência humana fazem a todos vulneráveis.

Além da dor e das perdas relacionadas diretamente ao epsiódio violento, algumas pessoas tendem a lamentar o fato de não terem conseguido se defenderem. Mesmo conscientes de que foram submetidos a uma força superior (arma letal, força física ou ameaça de ataque a integridade física ou moral de seus entes queridos) se sentem humilhados e ultrajados. Se sentindo culpados tendem a repetir sempre as mesmas perguntas:

Porque não consegui fugir?
Porque não reagir?
Como me entreguei passivamente a violência?

Bem, eu sei que poucas palavras têm o poder de consolar nesse momento. No entanto, devo dizer que fizeram o crucial nesta situação: manterem-se vivas!

Vivas, teremos o dia de amanhã para tentarmos virar o jogo e quem sabe rir por último. O respeito a vida e a possibilidade de ser feliz exigem de nos menos valentia e mais sabedoria, arte e irreverência. Como disse Hannah Arendt, o maior inimigo do autoritarismo, é por tanto: “(...) o desprezo, e a maneira mais segura de miná-lo é a risada”.

Uma experiência interessante de resistência a dominação no Brasil foram os “quilombos”. Impulsionados pelo lema “mata ou morro”, os escravos negros fugiram para regiões de matas ou de morros tão inacessíveis que os capitães do mato nunca conseguiam encontrá-los.

A vingança não era a força que conduzia suas lutas! Entre a justiça e a liberdade, escolheram voar. Entre o triunfo, a supremacia e o prazer escolheram dançar. Por tanto, simplesmente desprezaram o sofrimento do pasado e, simbolicamente, dizeram a seus antigos senhores: “hasta la vista baby”. Deram as costas ao passado e seguiram adiante lutando por sua vida e felicidade. Estes antigos escravos criaram a mais bela luta marcial que conheço: a capoeira. A confrontação dos capoerista na realidade é uma bela dança, seus giros e saltos se assemelham a vôos.

Para mim, a vida e a obra de Frida Kahlo é também uma expressão magnífica da resistência à arbitrariedade. Pressa a um corpo frágil e mutilado por um trágico acidente de ônibus, não se resignou a ser uma vítima do destino, da circunstância e mesmo atada a uma cama ou uma cadeira de rodas foi capaz de inventar uma pintura inovadora e libertária. A arte, a fantasia, a imaginação e o humor! Alternativas possíveis a morte e a rendição. Para mim, esses foram os ensinamentos mais importantes da vida de Frida Kahlo.

Navegar é preciso,
Viver não é preciso.
Fernando Pessoa

Em meu trabalho não existem mapas de navegação precisos. Meu ato de cuidar inclui poucas certezas. Todavia, trago uma convicção comigo:

Ainda que a experiência seja radicalmente terrível, as pessoas que não sucumbem ao desatino ou a nulidade são as que não permitiram que o violador se convertesse em dono de sua alma. Em seus pensamentos e sentimentos, essas pessoas brigaram bravamente contra a visão de que as coisas são assim, que a violência sempre existiu e existirá no mundo. Inconformadas, não aceitaram a violência como algo normal, natural... Não acreditaram que por alguma razão mereceram sofrer. Não se resignaram ao sofrimento!

Mesmo que totalmente impotentes contra a violência do outro, estas pessoas mantiveram em alguma parte de sua mente um território livre da opressão. Não permitiram a colonização de sua mente!

Há então uma oportunidade pequena, mas decisiva, de salvaguardar nossa integridade, nossa natureza contra os excessos e as injustiças do mundo:

Manter dentro de nos mesmo territórios livres de ocupações arbitrárias. Há partes de nosso ser que não devem ser domesticadas. Elas não estão sujeitas a ajustes, porque isso significaria a morte de nossa identidade como pessoa.

Nossa mente, nossa imaginação são a última fronteira de resistência, como ilustra o filme “Precious: Based on the Novel Push by Sapphire” (Oscar 2010). Nossos desejos, preferências e sonhos são indomáveis e requerem sempre um espaço para sua expressão. Se não se pode expressá-los no mundo real, onde estão nosso trabalho, nossos fazeres sociais e culturais ou na cumplicidade de nossa vida íntima – onde estão nossos amigos e amores, podemos ainda expressá-los em nosso fantástico mundo mental!

Nossa mente é um solo fecundo onde pode germinar todos os encantos. Como uma mãe generosa, oferece refúgio temporário aos tormentos da injusta realidade, alimentando-nos de esperança e força. Fortalecidos, teremos mais possibilidades de dar a volta por cima!

*Fragmento de uma carta enviada ao amigo que me apresentou el Cañon del Sumidero
.



9 comentários:

  1. Querida Cida... que lindo texto para comemorar o aniversário do Blog!

    Parabéns pelo texto, pela imagem e pelo Blog que só contribuiu para o fortalecimento da nossa luta!

    Juntos, inspirados pelos chiapas, Sem Perna e tantas outras referências, não nos renderemos,
    trinufaremos na maior parte do tempo!

    Um abraço carinhoso


    Diane Valdez
    Mestra em História das sociedades agrárias pela Universidade Federal de Goiás (1999) e doutora em Educação, na linha de História e Filosofia da Educação, pela Universidade Estadual de Campinas (2006).

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo nível do blog... merece uma festa....

    Junio de Souza Alves
    Formado em psicologia com trabalho na área da família, gravidez na adolescência e criança e adolescentes, participando de conselhos de direitos.

    ResponderExcluir
  3. Oi Cida, somos parceiros de luta.
    Luto contra a violência, a Mãe Natureza, sou escritor e poeta ambiental. Segue um poema do meu livro, Poemas e Reflexões:" DESESPERO"

    O planeta\grita\ revoltado\assistindo\a Mãe Natureza\ ser \ violentada\degradada\seviciada\ contaminada\ por\ quem \ devia\ ser\amada\seus\ filhos\ insanos\ homens!!!\

    Fernado Screccia

    ResponderExcluir
  4. Oi Cidinha!!
    Parabéns pelo seu aniversário!!

    Muitos mais anos virão e a importância do blog nessa luta é cada vez maior.

    Abração!!
    Adriano de Melo Ferreira
    Formado em Licenciatura Plena em Ciências - Habilitação Biologia - pela FESURV em 1995, fez Mestrado em Biologia - área de concentração em Fisiologia Vegetal na Universidade Federal de Goiás.

    ResponderExcluir
  5. Cida

    Parabéns!
    Continue sempre nessa luta e nessa esperança.

    Beijos
    Ruth Catarina Cerqueira R de Souza
    Possui mestrado em psicologia - Universite Catholique de Louvain (1976) e Doutorado em Psicologia - Paul Valéry Montpellier III (2003). É professora adjunta da Universidade Federal de Goiás.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns, Cida, por seu projeto, pelo seu blog.
    Que você continue a compartilhar suas experiências, por muitos anos.

    Beijo
    Marta Maria Brandão
    Atualmente é psicóloga - Secretaria Municipal de Saúde de Anápolis-Go. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Intervenção Terapêutica

    ResponderExcluir
  7. Que legal!

    Cida, estou escrevendo um projeto para trabalhar com grupos de pais das crinças que estão apresentando problemas de disciplina.

    Abraços!
    Soledade dos Reis Queiroz Mendes

    ResponderExcluir
  8. Oi Cida,

    Que bela imagem!

    Parabéns por esse trabalho e por tudo que você tem feito por nossa sociedade, em defesa de nossas crianças e adolescentes, para que o nosso mundo fique melhor. Obrigada por sua generosidade para com as pessoas/humanos.

    Tenho certeza que o reconhecimento do seu trabalho deve ser superior à nossa parca sensibilidade.


    Abraços de quem comemora sempre cada passo seu em defesa dos direitos humanos, em especial, dos direitos de milhares de pequenos, mas não menos importantes, humanos.

    Sandra de Lourdes Rocha de Oliveira
    Pedagoga, especialista em Psicopedadogia pela UFG e em Educação Para a Diversidade - deficiência mental e auditiva pela UCG.
    Coordenadora da Assessoria Técnica do Conselho Municipal de Educação de Goiânia
    Sandra de Lourdes

    ResponderExcluir
  9. Cida querida!

    Parabéns!!!!!!
    Um grande abraço

    Luísa F. Habigzang
    Doutora em Psicologia/ Instituto de Psicologia/UFRGS
    Coordenadora do Cep-Rua/NH

    ResponderExcluir

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)