28 de abr de 2016

Aos vencedores, meu escarro - Berenice Bento

“(…) Estamos encalhados sobre estas malas e tapetes com nossos vintes anos de amor desperdiçado, longe do país que não nos quis (…)”. 31 de janeiro: “(…) Vem, então, e me leva de volta para o lado de lá do oceano de onde viemos os dois.” 14 de março: “(…) E digo no meu inglês péssimo que se a realidade nos alimenta com lixo, a mente pode nos alimentar de flores (…)”.
 Caio Fernando Abreu - Ovelhas negras

Entre a vontade de cuspir, vomitar que eu tivera várias vezes ao longo destes dias, o texto do Caio, agora, me levou às lágrimas. Todos os meus fluídos são políticos. Caio me transportou para os anos de 1980 quando escrevíamos nos muros do Rio de Janeiro, fugindo da polícia, minha/nossa poesia: Liberdade para os presos políticos! Abaixo a Lei de Segurança Nacional!  Anistia ampla, geral e irrestrita!

Lembrei-me de saudosos professor@s que contavam as mazelas de suas vidas no exilio, a tortura, a mutilação psíquica, a saudade do feijão com arroz, a dificuldade com a língua estrangeira, a fome, a prisão, o frio.  Foi pelas mãos de Caio que vi a história transformar-se em agora, como afirmou Walter Benjamin. O passado reatualizado.

Agora que as lágrimas se foram evoco antropofagicamente Olga Benário, Pagu, Margarida Dias, Dandara dos Palmares: cuspir é pouco. Para os “vencedores”, o nosso escarro.


_________________


Berenice Bento
De uma nação de técnicos de futebol, passamos a um país de president@s da república. Nunca antes a minha vida tinha sido tomada por uma pauta exclusiva: o debate sobre o impedimento da Presidenta Dilma. Minha filha, estudantes, familiares, amig@s, ativistas, não ativistas, pessoas desconhecidas, todas querem discutir os rumos da vida política nacional. Eu me pego em devaneios e em desejos loucos. Como seria bom se tivéssemos redes de notícias e discussões qualificadas espalhadas e democratizadas em todo o território nacional.
Talvez por maldição do meu ofício não consiga parar de fazer pesquisa, de perguntar, tentar entender. Nas últimas semanas este meu lado foi potencialmente atiçado. No ônibus, no táxi, na fila do supermercado sempre a mesma pergunta: você sabe por que @s deputad@s votaram pelo impedimento da presidenta Dilma?  As respostas podem ser representadas por uma reta, tamanha sua constância: porque ela roubou!  A conexão entre a (desaparecida – ou será falecida?) operação Lava-Jato e a votação do dia 17 é imediata.
O Dia da Vergonha Nacional, 17 de abril, produziu efeitos dolorosos em minha subjetividade e corpo. O dia seguinte foi de ressaca. O mar carioca estava em conexão com minhas entranhas. Entrou em revolução. Dias de ressaca, de destruição. Anos de luta pela democracia. Mas a destruição só revela a própria fragilidade desta coisa mítica chamada “democracia representativa”. E eis que se descobre que menos de 10% d@s deputad@s foram, de fato, eleitos. Coisas estranhas acontecem no reino da democracia representativa, não? O cheiro de podridão que exala da Casa do Povo faz da astuta Lady Macbeth uma iniciante. Ali, diante dos nossos olhos, ouvidos, peles, sangue, saliva, aquelas criaturas esfregando em nossas caras a farsa da suposta democracia representativa.
Entre cusparadas, vômitos espalhados em praças públicas, terminei aquele domingo com dores e hematomas internos. Pelo resultado? Sem dúvida. Mas era (e continua sendo) algo mais profundo, meio sem nome. Vi minha filha envolvida em uma discussão sem fim com um parente próximo que defende, com uma convicção religiosa, o nazista do Bolsonaro.  Escutei pessoas tão próximas, tão minhas, afirmando que estamos vivendo o ápice da democracia.  De fato, meu desejo por uma mídia hegemônica qualificada não passa de um devaneio.
escarro_berenice_site
Ainda estou meio nocauteada. O Brasil é um desafio para a análise política e social. A culpa é da Rede Globo! Sem dúvida, reconheço o papel nefasto desta organização (criminosa). A culpa é da esquerda por suas políticas de aliança com os representantes políticos da burguesia nacional. Outra boa explicação. Desconfio, no entanto, que haja algo mais estrutural e estruturante que está para além das explicações binárias e de viés puramente economicista, como apontou o sociólogo Richard Miskolci em conversa informal.
Não podemos cair no canto da sereia de uma análise marxista que reduz tudo ao nível dos interesses econômicos. No Brasil, é impossível discutir Nação, projeto de Estado, relações econômicas sem acionarmos raça, gênero e sexualidade.
Para aliar as dores internas escolhi o livro Ovelhas negras, de Caio Fernando Abreu, para me ajudar a atravessar a semana. O livro reúne textos escritos em momentos diferentes de sua vida. Lixo e Purpurina, de 1974, é um diário de seus dias de exílio em Londres. Dia 28 de janeiro de 1974 Caio nos conta:
“(…) Estamos encalhados sobre estas malas e tapetes com nossos vintes anos de amor desperdiçado, longe do país que não nos quis (…)”. 31 de janeiro: “(…) Vem, então, e me leva de volta para o lado de lá do oceano de onde viemos os dois.” 14 de março: “(…) E digo no meu inglês péssimo que se a realidade nos alimenta com lixo, a mente pode nos alimentar de flores (…)”
Entre a vontade de cuspir, vomitar que eu tivera várias vezes ao longo destes dias, o texto do Caio, agora, me levou às lágrimas. Todos os meus fluídos são políticos. Caio me transportou para os anos de 1980 quando escrevíamos nos muros do Rio de Janeiro, fugindo da polícia, minha/nossa poesia: Liberdade para os presos políticos! Abaixo a Lei de Segurança Nacional!  Anistia ampla, geral e irrestrita!
Lembrei-me de saudosos professor@s que contavam as mazelas de suas vidas no exilio, a tortura, a mutilação psíquica, a saudade do feijão com arroz, a dificuldade com a língua estrangeira, a fome, a prisão, o frio.  Foi pelas mãos de Caio que vi a história transformar-se em agora, como afirmou Walter Benjamin. O passado reatualizado.
Agora que as lágrimas se foram evoco antropofagicamente Olga Benário, Pagu, Margarida Dias, Dandara dos Palmares: cuspir é pouco. Para os “vencedores”, o nosso escarro.
Fonte: Revista Cult

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)