8 de abr de 2012

Vivian Maier: o silencioso talento que capturou a alma das ruas

 
vivan1_2-594x594O legado de Vivian Maier, a babá norte-americana que nunca viu suas extraordinárias imagens publicada
 
Por Cláudio Silvano
A essa altura você já deve ter ouvido falar sobre a fotografa (e babá) Vivian Maier. Mas a sua história é tão fascinante que merece ser contada infinitas vezes.

Em 2009, o agente imobiliário de 26 anos John Maloof pagou em um leilão $400 numa caixa cheia de negativos de fotos do cotidiano da cidade de Chicago, pois estava fazendo uma pesquisa para documentar a história do principal parque da cidade, o Portage Park.

  Untitled, Undated

Quando começou a escanear os negativos percebeu que, mesmo não entendendo muito sobre a arte, as fotografias pareciam trabalho de um fotógrafo profissional. Na mesma hora fez um post em uma comunidade de fotografia de rua no flickr, perguntando se aquele material tinha algum valor artístico e o que fazer com os mais de 40.000 negativos que tinha comprado, entre eles vários rolos de filmes ainda não revelados. Foi assim que o nome Vivian Maier começou a aparecer no mundo da fotografia e está em rumo a posição de um dos maiores ícones da fotografia de rua, junto com Bresson, Walker Evans, Doisneau, Robert Frank, entre outros”.

 

vivian-maier-fim-de-abril-1953-nova-york 1

 
vivan3-594x594
 
vivian-maier-fim-de-abril-1953-nova-york 7
 
vivian-maier-fim-de-abril-1953-nova-york 2
Filha de mãe francesa e pai austríaco, Vivian Maier nasceu em Nova Iorque em 1926, mas viveu entre os EUA e a França até os 25 anos quando se mudou definitivamente para os EUA. Em 1956 se mudou para Chicago onde começou a carreira de babá, que durou 40 anos. Segundo algumas das famílias para quem trabalhou, Vivian era uma pessoa extremamente solitária e passava os dias fotografando pelas ruas. Nas palavras do dono da coleção:

 

Ela era socialista, feminista, crítica de cinema e tinha uma personalidade forte. Aprendeu inglês indo ao teatro, uma de suas paixões. Ela usava jaqueta e sapatos masculino e um chapéu na maioria do tempo. Fotografava o tempo todo e nunca mostrou as fotos para ninguém.”

 

vivan5-594x594

 

vivan4-594x594

 

Com o passar do tempo, Vivian viajou pelo mundo tirando fotos e acumulou mais de 200 caixas de negativos. Também colecionava recortes de jornais e fitas de áudio de conversas com as pessoas que ela fotografava. No final da vida, já não conseguia mais trabalhos como babá e acabou morrendo em 2009, sem nunca ter visto a maioria de suas fotos.

Suas incríveis fotos são basicamente sobre a vida cotidiana, tanto de ricos quanto de pobres. Vivian era uma testemunha do seu tempo e do mundo ao seu redor e o seu senso de composição foi uma das coisas que mais me chamaram a atenção. Parece que ela já nasceu pronta para isso, pois nunca estudou formalmente a arte.

 

vivian-maier-fim-de-abril-1953-nova-york 5

 

vivian-maier-fim-de-abril-1953-nova-york 6

 

vivian-maier-fim-de-abril-1953-nova-york

 

 

Fonte: Blog ANORAK em 23 de janeiro de 2012 às 18h15

 

Veja mais

site oficial de VIVIAN MAIER

Os 50 anos por Vivian Maier 

A alma encantadora das ruas (Carta Capital)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)