5 de fev de 2014

ONU exige que Vaticano expulse pedófilos e os denuncie a autoridades civis

  •  
    Homem protesta contra o Vaticano em frente à sede do escritório da ONU na Suíça, em janeiro deste ano

    Homem protesta contra o Vaticano em frente à sede do escritório da ONU na Suíça, em janeiro deste ano

A ONU exigiu nesta quarta-feira (5) que o Vaticano "remova imediatamente" todos os clérigos suspeitos ou que de fato praticaram abuso sexual contra crianças e que os entregue a autoridades civis.

Uma comissão de direitos humanos da ONU denunciou o Vaticano por adotar políticas que permitiram padres estuprar e molestar dezenas de milhares de crianças ao longo dos anos.

O Vaticano afirmou, em resposta, que irá submeter a "minuciosos estudos e análises aprofundadas" as acusações recebidas da ONU.

Em um relatório publicado nesta quarta-feira, a agência da ONU para os direitos das crianças disse que a Santa Sé também deve entregar seus arquivos sobre o abuso sexual de dezenas de milhares de crianças, para que culpados, bem como "os que ocultam seus crimes", possam ser responsabilizados.

"O Comitê está seriamente preocupado que a Santa Sé ainda não reconheceu a extensão dos crimes cometidos, não tomou as medidas necessárias para lidar com casos de abuso sexual de crianças e para proteger as crianças, e adotou políticas e práticas que levaram à continuação do abuso e à impunidade dos agressores ", disse o relatório.

"A comissão criada pelo papa Francisco em dezembro deve investigar todos os casos de abuso sexual de crianças, "bem como a conduta da hierarquia católica em lidar com eles", afirmou o relatório.

Padres pedófilos foram transferidos de paróquia ou para outros países "em uma tentativa de encobrir esses crimes", acrescentou o documento.

"Devido a um código de silêncio imposto a todos os membros do clero, sob pena de excomunhão, os casos de abuso sexual de crianças quase nunca foram denunciados às autoridades policiais dos países onde tais crimes ocorreram", disse o órgão da ONU.

Em uma sessão pública, no mês passado, o comitê indagou delegados do Vaticano para que revelassem o alcance do abuso sexual de menores durante décadas por padres católicos, em um caso que o papa Francisco chamou de "a vergonha da Igreja".

A delegação da Santa Sé, respondendo a perguntas de um painel de direitos internacionais pela primeira vez desde que as primeiras denúncias surgiram há mais de duas décadas, negou as acusações de encobrimento do Vaticano e disse que tinha estabelecido regras claras para proteger as crianças dos padres pedófilos.

O comitê da ONU também criticou severamente a Santa Sé por suas atitudes em relação à homossexualidade, à recusa a aceitar métodos contraceptivos e o aborto e pediu ao Vaticano que reveja suas políticas para garantir os direitos das crianças e o acesso à saúde.

O órgão da ONU disse que a Igreja Católica ainda não tomou medidas para evitar a repetição de casos como o escândalo das lavanderias na Irlanda, onde meninas foram arbitrariamente colocadas em condições de trabalho forçado.

O comitê pediu uma investigação interna das lavanderias e instituições similares, de modo que aqueles que foram responsáveis possam ser julgados e que "a compensação integral do abuso seja paga às vítimas e suas famílias". (Com AP e Reuters)

MAIS SOBRE PEDOFILIA NA IGREJA

México pede que escândalos sexuais da Santa Sé sejam tratados como crimes de Estado

Vaticano admite existência de autores de abusos contra crianças no clero

Organização cristã 'alugou' crianças para pedófilos

ONU ouve Vaticano sobre casos de abuso de menores

Vaticano já expulsou 400 padres denunciados por pedofilia

ONU pede que Vaticano entregue às autoridades envolvidos em abusos


Fonte: UOL on line, em 05 de fevereiro de 2014. 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)