10 de fev de 2014

Luto por Santiago Ilídio de Andrade

Homenagem a Santiago

Cerca de 50 repórteres-fotográficos e cinegrafistas se reuniram às 17h45 desta segunda-feira, 10, ao redor da Igreja da Candelária, no centro do Rio, para prestar uma homenagem ao cinegrafista da Bandeirantes Santiago Andrade, cuja morte cerebral foi declarada pela manhã.


Divulgando a Nota da Associação Profissional dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos do Rio (Arfoc) sobre a morte do cinegrafista Santiago Andrade

 

MAIS UM CORPO PARA CHORARMOS E ENTERRARMOS

Morreu hoje, no Hospital Municipal Souza Aguiar, o associado Santiago Ilídio de Andrade, 49 anos, casado, pai de quatro filhos, repórter cinematográfico, atingido na cabeça por um artefato pirotécnico aceso por um Black Bloc, durante a manifestação contra o aumento de passagens de ônibus no último dia 6, no Centro do Rio.

Santiago é mais uma vítima da irresponsabilidade das empresas jornalísticas, que se recusam a fornecer equipamentos de segurança, treinamento e estabelecer como regra primordial de segurança o impedimento do profissional trabalhar sozinho.

Nós, jornalistas de imagem, exigimos que as autoridades de segurança do Estado do Rio de Janeiro instaurem, imediatamente, uma investigação criminal para apurar quem defende, financia e presta assessoria jurídica a esse grupo de criminosos, hoje assassinos, intitulados “Black Blocs”, que agridem e matam jornalista e praticam uma série de atos de vandalismos contra o patrimônio público e privado.

O repórter cinematográfico Santiago Ilídio de Andrade é o terceiro jornalista morto durante o exercício profissional, pela violência que se banalizou no Rio de Janeiro. Até quando vamos ter que chorar e enterrar mais um companheiro?

Luiz Hermano
Presidente da ARFOC–Brasil

Alberto Jacob Filho
Presidente da ARFOC-Rio

 


Foto capturada no ESTADÃO, em 10 de fevereiro de 2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)