9 de mar de 2014

Ninem Alex por mim!

Quando minhas filhas eram pequeninas eu adorava cantar para elas dormirem. Cantava músicas que aprendi na infância e músicas que gostava de ouvir. “Alecrim dourado”, “borboletinha”, “o anel que tu me deste era vidro e se quebrou”, “eu fui no tororó beber agua nao achei“, “Terezinha de Jesus deu uma queda foi ao chão...”, “Como pode o peixe vivo viver fora da água fria”, “Existirmos: a que será que se destina? Pois quando tu me deste a rosa pequenina…”, “O Coisinha tão bonitinha do Pai,..”, “Mandacaru, quando flora lá na seca....”, “Olho a rosa na janela,...”, “Encosta a tua cabecinha no meu ombro e chora…”. Mas uma música em especial eu cantava com mais emoção, não sei explicar a razão, talvez por que ela falasse de honrarias feitas com pedrinhas de brilhantes e de anjos travessos que roubavam corações.

Hoje, nessa postagem de domingo, quero compartilhar um desejo com você. Queria que existissem anjos e que eles recebessem o pequeno Alex no colo e com suas vozes e liras celestiais o acalentasse com a minha canção de ninar favorita: “Se essa rua fosse minha”

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)