23 de dez de 2013

<<Volver a sentir profundo como un niño frente a dios Eso es lo que siento yo en este instante fecundo>>.

Queridos(as) amigos(as) e leitores(as) do blog,

Eu e minha filha Cecília Alves nascemos no mês de dezembro, uma sagitariana do dia 04 e outra capricorniana do dia 24. Em 2013 ela fez dezessete anos, uma idade que considero especialmente linda e que às vezes, por força de encantamentos e poesias, os querubins nos levam de volta a ela.

“Volver a los diecisiete” de Violenta Parra é o presente que ofereço a vocês para comemorarmos juntos o meu aniversário.

 

Queridos(as) amigos(as) y lectores(as) del blog

Yo y mi hija Cecilia Alves nacimos en el mes de diciembre, ella del signo de sargitario nació dia 4, yo de capricornio nací dia 24. En 2013, ella ha hecho diecisiete años, una edad que me parece especialmente hermosa y a veces, por la fuerza de los encantos y de la poesía, los querubines nos llevan de nuevo a esa edad.

"Volver a los diecisiete" de Violeta Parra es el regalo que ofrezco a vosotros para celebrarmos juntos mi cumpleaños.

 

 

Volver a los diecisiete

Volver a los diecisiete después de vivir un siglo
Es como descifrar signos sin ser sabio competente,
Volver a ser de repente tan frágil como un segundo
Volver a sentir profundo como un niño frente a dios
Eso es lo que siento yo en este instante fecundo.

Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.

Mi paso retrocedido cuando el de ustedes avanza
El arco de las alianzas ha penetrado en mi nido
Con todo su colorido se ha paseado por mis venas
Y hasta la dura cadena con que nos ata el destino
Es como un diamante fino que alumbra mi alma serena.

Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.

Lo que puede el sentimiento no lo ha podido el saber
Ni el más claro proceder, ni el más ancho pensamiento
Todo lo cambia al momento cual mago condescendiente
Nos aleja dulcemente de rencores y violencias
Solo el amor con su ciencia nos vuelve tan inocentes.

Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.

El amor es torbellino de pureza original
Hasta el feroz animal susurra su dulce trino
Detiene a los peregrinos, libera a los prisioneros,
El amor con sus esmeros al viejo lo vuelve niño
Y al malo sólo el cariño lo vuelve puro y sincero.

Se va enredando, enredando
Como en el muro la hiedra
Y va brotando, brotando
Como el musguito en la piedra
Como el musguito en la piedra, ay si, si, si.

De par en par la ventana se abrió como por encanto
Entró el amor con su manto como una tibia mañana
Al son de su bella Diana hizo brotar el jazmín
Volando cual serafín al cielo le puso aretes
Mis años en diecisiete los convirtió el querubín

Violenta Parra*


Volver a los diecisiete

Voltar aos 17 depois de viver um século
É como decifrar sinais sem ser sábio competente
Voltar a ser de repente tão fragil como um segundo
Voltar a sentir profundo como um menino diante de Deus
Isso é o que sinto neste instante fecundo

Vai se envolvendo, envolvendo
Como no muro a hera
E vai brotando, brotando
Como o musgo na pedra
Como o musgo na pedra, ai sim, sim, sim.

Meu passo retrocede quando o de vocês avança
O arco das alianças penetrou em meu ninho
Com todo seu colorido passeou por minhas veias
E até a dura corrente com a qual nos prende o destino
É como um diamante fino que ilumina minha alma serena

Vai se envolvendo, envolvendo
Como no muro a hera
E vai brotando, brotando
Como o musgo na pedra
Como o musgo na pedra, ai sim, sim, sim.

O que pode o sentimento não o pode o saber
Nem o mais claro proceder, nem o maior dos pensamentos
Tudo o muda num momento qual mago condescendente
Nos afasta docemente de rancores e violências
Só o amor com sua ciência nos torna tão inocentes

Vai se envolvendo, envolvendo
Como no muro a hera
E vai brotando, brotando
Como o musgo na pedra
Como o musgo na pedra, ai sim, sim, sim.

O amor é um turbilhão de pureza original
Até o feroz aminal sussura seu doce som
Detém os pergrinos, liberta os prisioneiros
O amor com seus esforços ao velho o torna criança
E ao mal só o carinho o torna puro e sincero

Vai se envolvendo, envolvendo
Como no muro a hera
E vai brotando, brotando
Como o musgo na pedra
Como o musgo na pedra, ai sim, sim, sim.

De par em par a janela se abriu como por encanto
Entrou o amor com seu manto como uma fraca manhã
Ao som de sua bela Diana fez brotar o jasmim
Voando qual serafim ao céu lhe pôs brincos
Meus anos em dezessete os converteu o querubim

Violenta Parra


violeta_parra-antologia-frontalViolenta Parra  - “Nasceu em San Carlos, província de Ñuble. Realizou seus estudos escolares até o segundo ano do secundário, abandonando-os em 1934, para trabalhar e cantar com seus irmãos em bares e circos, desenvolvendo uma importante carreira musical, como autodidata, a partir dos 9 anos. Ela pode ser considerada a mãe da canção comprometida com a luta dos oprimidos e explorados, tendo sido autora de páginas inapagáveis, como a canção ‘Volver a los 17’, que mereceu uma antológica gravação de Milton Nascimento e Mercedes Sosa. Outra de suas canções, ‘La Carta’, cantada em momentos de enorme comoção revolucionária, nas barricadas e nas ocupações, tem entre os seus versos o que diz ‘Os famintos pedem pão; chumbo lhes dá a polícia’. Mas suas canções não apenas são marcadas por versos demolidores contra toda a injustiça social. O lirismo dos versos de canções como ‘Gracias a la vida’ (gravada por Elis Regina) embalou o ânimo de gerações de revolucionários latino-americanos em momentos em que a vida era questionada nos seus limites mais básicos, assim como a letra comovedora de ‘Rin de Angelito’, quando descreve a morte de um bebê pobre: ‘No seu bercinho de terra um sino vai te embalar, enquanto a chuva te limpará a carinha na manhã’” (Veja mais AQUI).

Foto de Violeta Parra foi pacturada no link: http://www.89decibeles.com/blogs/randall-zuniga/latido-america-83-chile-violeta-y-herederos

Um comentário:

  1. Querida Cida:

    Parabéns para ti e para tua filha Cecília pelo aniversário.
    Voltar aos 17... quem não gostaria? ainda mais com a força da canção, interpretada por estes gigantes. Escolheste muito bem a mensagem que homenageia as duas aniversariantes e a tod@s nós. Obrigada pela oportunidade de ouvir Mercedes Sosa acompanhada pelo quarteto imortal Caetano, Gal, Chico e Milton Nascimento.
    Aproveito o momento de verdadeira Ação de Graças para desejar um Feliz e Santo Natal.
    Com carinho, Mariza Alberton - desde os pagos gaúchos.

    ResponderExcluir

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)