21 de out de 2017

O impacto da espetacularização e da banalização da violência - Magno Medeiros



 Resultado de imagem para imagens do documentário Quem matou eloá
Cena do documentário "Quem matou Eloá".




"É sangue mesmo, não é mertiolate.
E todos querem ver
E comentar a novidade.

Ó tão emocionante um acidente de verdade.
Estão todos satisfeitos
Com o sucesso do desastre:


- Vai passar na televisão”.

Legião Urbana
  _____________________






O impacto da espetacularização e da banalização da violência

Por Magno Medeiros


Quais os impactos potenciais da prolongada e intensa exposição à violência midiática? Quais as consequências ou efeitos crônicos da espetacularização e da banalização da violência, sobretudo para crianças e adolescentes? Pesquisas em diferentes países revelam que os receptores midiáticos podem aprender e apreender comportamentos e atitudes violentos sob a égide da cultura da violência. As crianças e adolescentes são mais vulneráveis à aprendizagem social da violência. Existe uma grande complexidade de consequências possíveis nesta relação mídia/violência/imaginário. Pessoas frustradas e violentadas podem «ler» a violência na mídia como um sinal para canalizar a sua frustração na agressão. Crianças em ambientes conflituosos estão predispostas ao comportamento agressivo. Por outro lado, há a possibilidade de as imagens de violência provocarem excitação fisiológica. A excitação provocada por tais imagens (efeitos visuais, sonoros e simbólicos) é transferida para atitudes e condutas violentas, principalmente entre as pessoas frustradas e/ou violentadas.

Uma das mais importantes teses neste campo e a Teoria da Orientação. Nesta perspectiva, o conteúdo da mídia oferece uma orientação, uma estrutura de referência que determina a direção do próprio comportamento do sujeito. A mídia estimula e reforça modelos, principalmente entre as crianças. No entanto, esta orientação depende de muitas variáveis: conteúdo da mídia, frequência; formação e experiências passadas; controle social; ambiente familiar; cultura e situação socioeconômica etc. A exposição intensa a cenas de violência torna as crianças, em longo prazo, mais agressivas. Essa agressividade, porém, é maior entre as crianças naturalmente agressivas. Outro fator importante: o nível socioeconômico nada tem a ver com o comportamento violento. Ressalte-se que entre os adolescentes a situação é diferente: depende, em longo prazo, do grau de identificação que estes têm com certos personagens. 

Por outro lado, a exploração da violência na mídia pode provocar um medo exagerado, uma ansiedade incontrolável. Tudo e todos passam a ser suspeitos; a desconfiança passa a ser o código predominante. Entre as crianças, este estado patológico dificulta a distinção entre ficção e realidade. Conforme a psicanalista Raquel Soiler (1981), os teledependentes, sobretudo as crianças, podem estar sofrendo de "televisiosis", uma espécie de patologia da contemporaneidade. O principal distúrbio deste mal seria uma síndrome de neurose, cujos sintomas são a mania de perseguição, a fobia e a desordem mental.

Opera-se, assim, um desinvestimento na ideia do outro como parceiro, como sujeito. O outro é um corpo estranho, um elemento, simplesmente um "outro". George Gerbner (apud CARDIA, 1994, p. 71) afirma haver o "efeito cultivação", segundo a qual as pessoas são formadas a partir do bombardeio informativo detonado pelos meios de comunicação. Trata-se de um efeito somatório, isto é, uma exposição excessiva à violência midiática poderia desenvolver certo medo e uma espécie de complexo de vítima. A consequência inevitável seria a construção (cultivação) de um clima de medo e de insegurança generalizados, razão pela qual certos indivíduos acabam, equivocada e lamentavelmente, defendendo políticas duras de repressão e de opressão.

Por outro lado, as imagens de violência podem acabar funcionando como «válvula de escape», isto é, elas podem contribuir para relaxar as tensões e ansiedades do televidente. As pessoas se distraem, aliviam os conflitos interiores (JEUDY, 1979). O autor entende que tais imagens tendem a neutralizar as tendências agressivas do sujeito. Isso ocorre porque tais tendências são transformadas, no bojo da linguagem televisiva, em expressão vicária. Neste sentido, as imagens espetaculares de violência podem ocupar um lugar de satisfação imaginária das frustrações reais. Através dessa espetacularização, aliviam-se as pulsões antissociais e agressivas e arrefece-se a carga pulsional do indivíduo. Resulta-se, assim, que tais imagens acabariam, segundo Freud, exercendo uma função catártica, potencialmente terapêutica. O princípio freudiano de catarse baseia-se, portanto, na ideia de evasão das tensões e pulsões, facilitadas ou viabilizadas através de imagens e narrativas simbólicas. Tal imaginário propiciaria uma satisfação (ilusória) capaz de derrotar (provisoriamente) a eterna condição humana de impotência e de frustração.

Na mesma linha de raciocínio, Georges Auclair (1970) afirma que as crônicas de fait divers servem para satisfazer substitutivamente as necessidades e desejos dos indivíduos: Esta "satisfação simbólica das frustrações" conferiria ao sujeito o poder imaginário de experiência intensa ou de liberdade total, liberdade para transgredir normas e valores socioculturais.


A teoria da catarse é recusada, pelo menos parcialmente, pelos adeptos das teorias da aprendizagem social e da orientação. Entende-se, nesta perspectiva, que a catarse pode até funcionar para aliviar, relaxar, arrefecer ou sublimar as pulsões agressivas do indivíduo. Entretanto, tal alívio ou relaxamento será passageiro e tênue. Funcionará de maneira provisória, como gás de spray, que inunda o ambiente, mas logo se dissipa no ar. O efeito catártico é, pois, fluido, imediato e volátil. As tensões e pulsões negativas acabam emergindo, como – para usar uma expressão de Freud – o inevitável “retorno do recalcado”.

Mas as formas de representação e o poder simbólico da violência na mídia não são iguais: eles variam quanto à forma, quanto ao conteúdo e quanto ao valor simbólico e ideológico da imagem ou mensagem. Explicando melhor, vamos pontuar a seguir os fatores (WILSON, apud CARLSSON, 1999, p. 74-77) que interferem no processo de recepção de imagens de violência, a partir de suas representações na mídia: 1) Natureza do perpetrador; 2) Natureza da vítima; 3) Uso de arma; 4) Extensão e intensidade de violência; 5) Realismo das imagens de violência; 6) Recompensas e punições; 7) Consequências da violência; 8) Humor/sarcasmo. Segundo Bárbara Wilson, há fatores de contexto (explícitos ou implícitos) que podem aumentar a aprendizagem social da violência. Entre tais fatores, citam-se os seguintes: perpetrador atraente, violência justificada, presença de armas, violência explícita, violência real, violência recompensada, violência em clima de humor ou complacência irônica. A violência explícita surge como a mais perniciosa, pois pode provocar tríplice consequência: aprendizagem social da violência, medo e dessensibilização.

Entretanto, há imagens e representações simbólicas que podem diminuir essa aprendizagem social negativa: violência não justificada, violência punida e violência em clima de dor, sofrimento, dano e indignação. Neste caso, paradoxalmente, as imagens de violência podem até resultar em uma ação pedagógica de oposição e recusa à cultura da violência.

Outra relevante pesquisa confirma a tese da síndrome do medo. Os pesquisadores Werner Ackermann, Renaud Dulong e Henri-Pierre Jeu (1983) chegaram às seguintes conclusões: a exposição intensa à televiolência pode provocar uma perda de diretrizes éticas e a promoção de uma insegurança e medo generalizados. Essa enxurrada de imagens de violência acabaria deflagrando uma certa espiral de violência na sociedade. Diante de tal situação de insegurança, os indivíduos optam por estar armados (fisicamente e psicologicamente), numa postura obsessiva de autodefesa.  

O ato prolongado de ver violência na mídia pode resultar, gradualmente, em perda da sensibilidade emocional em relação à violência. A banalização e a espetacularização da violência podem provocar indiferença social e política. Neste contexto, a TV tem contribuído para fomentar o medo e insegurança entre a população. O pior, entretanto, é o gradual processo de insensibilização decorrente da banalização da violência. Como diz Lasch, os mass media facilitam "a aceitação do inaceitável". E mais: "Amortece o impacto emocional dos acontecimentos, neutraliza a crítica e os comentários e reduz mesmo a 'morte do afeto' a mais um slogan ou clichê..." (LASCH, 1990). Assim, a violência vem ganhando cada vez mais ares de normalidade e naturalidade, além de estar alcançando uma crescente aceitabilidade social. Sua «inevitabilidade» tem gerado atitudes do tipo: "deixa rolar"; "não tem jeito mesmo"; "super normal"; "deixa assim para ver como é que fica". Este pode ser um dos mais importantes impactos negativos da atual cultura de ódio, cuja tessitura vem se construindo desde uma abordagem espetacularizada e banalizada da violência. Assim, do ponto de vista da mídia, a violência transparece como “papel celofane” (MICHAUD, 1989): brilhante, atraente e espetacular. E, no entanto, nociva, perniciosa e destrutiva.









Doutor em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo - FE/USP (1997), mestre em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP (1991) e bacharel em Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, pela Universidade Federal de Goiás (1985). É professor associado da Faculdade de Informação e Comunicação da Universidade Federal de Goiás (FIC/UFG), onde atua como docente e pesquisador na graduação e na pós-graduação. É professor do quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFG, linha de pesquisa Mídia e Cidadania, e do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Direitos Humanos da UFG, linha de pesquisa Práticas e Representações Sociais de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos. Foi diretor da Faculdade de Informação e Comunicação da UFG por dois mandatos (2009/2012 e 2013/2016). Foi também assessor de Imprensa da Reitoria/UFG e coordenador de Jornalismo da ASCOM/UFG no período de 2006 a 2008. Coordenou a área de Cultura da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (PROEC/UFG) no período de 2001 a 2004. Tem experiência na área de Jornalismo, tendo trabalhado no Grupo Folha, dentre outras empresas e instituições. Sua atuação acadêmica enfatiza os seguintes temas: comunicação, cidadania, direitos humanos, estudos de recepção e televisão, assessoria de comunicação, ética da comunicação, gestão de processos comunicacionais, jornalismo, publicidade e propaganda, violência e processos midiáticos, educação, epistemologias, mídias digitais e processos socioculturais.
 
 ______________

REFERÊNCIAS

ARENDT, H. Da violência.  Brasília, DF: Editora da UnB, 1985.

AUCLAIR, G. Le mana quotidien: structures et fonctions de la chronique des fait divers. Paris: Anthropos, 1970.

CARDIA, Nancy. Mídia e violência. In: Comunicação & Política, v.1, n.2. Rio de Janeiro: dez/94 a mar-95.

CARLSSON, Ulla e VON FEILITZEN, Cecília (orgs.) A criança e a violência na mídia. São Paulo: Cortez, Brasília, DF: Unesco, 1999.

GERBNER, G. e POTTER, W.J. Perceived reality and the cultivation of hypothesis. Journal of Broadcasting and Eletronic Media. 30(2): 159-74, 1986. In: CARDIA, Nancy. Mídia e violência. In: Comunicação & Política, v.1, n.2, dez/94 a mar-95.

JEUDY, Henri-Pierre. La peur et les media: essai sur la virulence. Paris: Presses Universitaires de France, 1979.

LASCH, Christopher. O mínimo eu - Sobrevivência psíquica em tempos difíceis. (Trad.          João Roberto Martins). São Paulo: Brasiliense, 1990.

MICHAUD, Y. A violência. (Trad. L. Garcia). São Paulo: Ática, 1989.

PEREIRA, C.A.M et al. (orgs). Linguagens da violência. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SOILER, R. El niño y la televisión. Buenos Aires: Kapelusz, 1981.

TODA Y TERRERO, José M.; AGUIRRE, Jesús M.; CERVERA, Rafael C. A violência nos meios de comunicação. In: Comunicação & Educação, v. 8. São Paulo: Moderna,  jan-abr/1997.

WILSON, Barbara J. et all. A natureza e o contexto da violência na televisão americana. In: CARLSSON, Ulla e VON FEILITZEN, Cecília (orgs.) A criança e a violência na mídia. São Paulo: Cortez, Brasília, DF: Unesco, 1999.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)