9 de fev de 2013

TUDO POR DINHEIRO: ibope pode trazer de volta pastor homofóbico à programa de entrevista em emissora brasileira

 

Um horror: pastor que possui um patrimônio pessoal de cerca de trezentos milhões de reais (R$ 300.000.000,00) faz apologia homofóbica em emissora de TV brasileira. Abaixo um interessante artigo de Walter Hupsel:

Absolutamente

Por Walter Hupsel

No domingo dia 03, Marília Gabriela entrevistou um certo pastor famoso que tem, segundo a revista Forbes, um patrimônio pessoal de cerca de trezentos milhões de reais (R$ 300.000.000,00). O tal pastor é conhecidíssimo por seu conservadorismo e homofobia.

(Não direi o nome do pastor. Vai que na terceira menção ao seu nome ele aparece!)

A entrevista foi pessimamente conduzida. Os sofismas e a retórica do pastor passaram batidos pela entrevistadora. Mas deu audiência e o SBT já estaria planejando uma nova entrevista com o este senhor. Para a TV, dinheiro é tudo, mesmo que tenha que dar voz ao discurso de ódio.

O tema principal, claro, foi a homossexualidade. O pastor veio com ladainhas retóricas sobre temas no qual é completamente ignorante, mesmo em psicologia, área de sua graduação.

O pastor tentou usar argumentos "científicos" para justificar sua homofobia (que “ama o homossexual e o assassino”), e falou uma dúzia de bobagens destinada a convencer os já convencidos. Sobre genética, evolução, biologia, psicologia... só bobagens. Mas cumpria ali seu papel de jogar argumentos para seu público.

Depois disso, as redes sociais foram invadidas por “respostas” ao pastor, de cientistas que entendem do riscado, que demoliram os argumentos pseudo-científicos do, bem, chamá-lo-ei de Beetlejuice.

Eles nascem homossexuais? Isso é genético? É ‘alma’? Ou seria um ambiente propício? É natural? Cultural? Ambos?

Da minha parte, não me importa o que a ciência diz. Ela já disse tantas coisas, já justificou tantos preconceitos e assassinatos por aí. Até a década de 1970, por exemplo, a homossexualidade era considerada uma doença ou perversão, isso embasado na tal “ciência”.

O que realmente importa é que existem homossexuais, que são pessoas como qualquer outra. Como pessoas, devem ter direitos exatamente iguais, cidadania plena. Direitos e cidadania que pessoas como o pastor Beetlejuice não admitem.

Para estas, suas crenças devem dominar o mundo e ser a crença de todos. É uma visão absoluta, que não admite contraditório, não admite nada que não se encaixe na sua visão de mundo, tendo que todos se converterem a ela.

Não é menos sintomático que o pastor acabe sua entrevista dizendo que é “contra” o divórcio (faltou a pergunta: “deveria ser proibido?” ao que, creio, teria um “sim” como resposta).

Além deste discurso bonzinho que ama “os homossexuais e os assassinos”, o absolutismo do pastor encontra um, e apenas um inimigo: a visão estereotipada que fazem do islamismo. Respeita o papa católico como um líder de uma religião, mas enxerga o Islã como “um radicalismo muito horroroso”, afirmou.

Nesta visão completamente deturpada e estereotipada, o Islã é um outro absoluto, assim sendo, um espelho. Beetlejuice se reconhece neste espelho, só não pode admitir.

Por isso nada adianta colocar discursos científicos ou mesmo bíblicos no debate. O que realmente interessa é a integridade e a dignidade humana. E isso é para todos, absolutamente.

Fonte: On The Rocks – qui, 7 de fev de 2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)