1 de dez de 2015

A execução de adolescentes no Rio e o vídeo do Unicef que ninguém viu - Alceu Luís Castilho



O que separa o assassinato de cinco jovens por policiais, no Rio, e o depoimento de mães de adolescentes mortos? Como a opinião pública percebe esses dramas? 

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Durante 95 segundos, três mães – três mães negras – falam sobre seus filhos. Sorrindo. “Eu nunca vi uma pessoa igual a ele”, diz a mãe de Hítalo Gabriel, de 12 anos. “Todos os dias ele falava pra mim: ‘Você é a melhor mãe do mundo, te amo'”. A mãe de Cristian, de 13 anos, lembra que ele praticava vários esportes, era brincalhão, difícil vê-lo de cara feia. Queria estudar e ser bombeiro, como o tio. “Ele trabalhava, com 17 anos já tinha emprego registrado”, conta a mãe de Christian. “Era um menino cheio de sonhos. Era o primeiro em matemática. Era o primeiro na minha vida”.

Os depoimentos fazem parte de uma campanha que o Unicef – o Fundo das Nações Unidas para a Infância – lançou no dia 20, o Dia da Consciência Negra. Nos 40 segundos finais do vídeo, as mães baixam a cabeça. Fecham os olhos. Choram. Enquanto isso lemos que, todos os dias, 28 crianças e adolescentes morrem assassinados no Brasil. E que a maioria são meninos negros, pobres e moradores da periferia. A mãe de Christian completa: “Ele já tinha namorada. Já tinha emprego. E eu só tinha ele”.

Em dez dias, o vídeo teve apenas 1.000 visualizações no YouTube. E por que tão pouca gente viu? Porque a imprensa não divulgou.

NO RIO, A HISTÓRIA CONTINUA

Alguns internautas, porém (inclusive uma publicação de esquerda), não se acanharam em divulgar a imagem dos cadáveres dos cinco jovens abaixo: Carlos Eduardo da Silva de Souza, 16 anos; Roberto de Souza Penha, 16 anos; Cleiton Corrêa de Souza, de 18 anos; Wilton Esteves Domingos Júnior, de 20 anos; e Wesley Castro Rodrigues, de 25 anos. Não dessa foto com eles sorridentes, mas dos corpos.

rio-lagartixa


Todos eram negros. Estavam em um carro, na Estrada João Paulo, zona norte do Rio, e foram fuzilados pela polícia. Na noite do sábado (28), com 50 tiros. Douglas Belchior, naCartaCapital, informa que o crime foi cometido na comunidade da Lagartixa, no Complexo da Pedreira, bairro de Costa Barros. Parentes contaram ao jornal Extra que eles tinham ido comemorar o primeiro salário de Roberto como jovem aprendiz no Atacadão da avenida Brasil. No domingo, iriam à praia.
O site GuadalupeNews relatou que quatro policiais usaram luvas para pegar a chave do veículo e tentar abrir o porta-malas. Não conseguiram. Aí tentaram forjar a cena do crime de forma canhestra: colocaram uma arma de brinquedo sob o pneu esquerdo dianteiro. Não colou. Foram presos. Mesmo numa cidade e num país acostumado aos chamados “autos de resistência”, quando policiais executam e colocam a culpa nas vítimas, a cara-de-pau não passou batida.

GENOCÍDIO DE JOVENS NEGROS

O articulista da CartaCapital – militante do movimento negro e membro do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, o Conanda – observa que o grupo de jovens estava em um carro com documentação em dia, motorista habilitado e desarmados. E pergunta, antes de cobrar o secretário de Segurança Pública e o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB): “O que havia ali que pudesse justificar a ação dos policiais? Serem todos negros?”

A campanha do Unicef com as mães de crianças e adolescentes assassinados informa que, no caso dos adolescentes, o Brasil só fica atrás da Nigéria. Até 2019, mais 42 mil podem ser mortos – mantido o ritmo atual. “As crianças e adolescentes assassinados têm cor, classe social e endereço”, enfatiza o órgão da ONU. “São em sua maioria meninos negros, pobres, que vivem nas periferias e áreas metropolitanas das grandes cidades”.

A taxa de homicídio entre adolescentes negros é quase 4 vezes maior do que aquela entre os brancos. E suas mortes são justificadas, “de forma equivocada”, pelos conflitos entre facções ou pelo tráfico de drogas. O Unicef informa que entre 92% e 95% dos homicídios cometidos no Brasil – de todos os homicídios – não são solucionados. E que parte dessa estatística se deve aos tais “autos de resistência”. (E não somente no Rio, a cidade onde a polícia mais mata no país.)

NADA MAIS TEM IMPORTÂNCIA?

Se a notícia sobre os cinco executados no Rio correu as redes sociais, assim como ocorreu com outros assassinatos de crianças e adolescentes na cidade, em 2015, por que o vídeo do Unicef não teve repercussão? Haveria algum problema no formato? Alguma preferência pela exclamação efêmera (quando não, mórbida) em detrimento de uma reflexão séria, consistente e perene? Para o diretor do vídeo do Unicef, o publicitário Alex Ribondi, estamos anestesiados.

Ele conta que as histórias das mães emocionaram as nove pessoas que estavam no set de filmagem. Ele acredita que, diante do momento político, da quantidade de notícias e escândalos, o filme tenha perdido espaço “nesse universo de confusões transmitidos e propagados todos os dias”. “Infelizmente estamos vivendo um momento em que nada tem tanta importância mais”, reflete. “E se tiver alguma, não dura muito”.

Ele já tinha feito outros trabalhos que tocavam nesse tema. Alguns extremamente fortes e pesados. “Não há como ficar indiferente a essa realidade”, considera. “São histórias tristes, dolorosas e terrivelmente verdadeiras. Cada uma delas aumenta a percepção do quanto perdemos tempo com problemas irrelevantes e o quão anestesiada está a maior parte das pessoas. Acho que ainda vamos demorar muito até conseguirmos mudar a situação de verdade. Infelizmente”.

unicef

CRÍTICA: O PAPEL DA MÍDIA

A campanha do Unicef não saiu na Globo e não ganhará menção do Criança Esperança. O Unicef já foi o parceiro da rede platinada no Criança Esperança, entre 1986 e 2003; desde 2004 é a Unesco. Mas não dá nem para comparar o alcance de sua campanha contra o genocídio infantojuvenil ao alcance do que a emissora abençoa. E isso diz muito sobre o país. A campanha lançada pelo Unicef no Dia da Consciência Negra vai direto ao ponto central: a matança de crianças e adolescentes existe e, se nada for feito, terá mais 42 mil mortos em cinco anos. Em outro planeta, a Globo perpetua a mensagem de “esperança”, despolitizada, como se fosse mais um quadro populista do Luciano Huck, jogando a responsabilidade pela política pública específica (aquela relativa a crianças e adolescentes) ao telespectador na sala de jantar, subitamente generoso, a investir em projetos isolados. E o Brasil faz de conta que purga suas responsabilidades.


Enquanto isso, a campanha do Unicef – politizada – atinge uma ou outra testemunha espalhada pelo país. A imprensa – toda ela – ignora. Mas depois noticia (como se fosse uma mercadoria perecível) mais uma execução de adolescentes negros no Rio. E mais uma. Mais uma. Outra. E outra. Mesmo na Globo. Não importa. Linearmente. Sem coesão, sem que o silêncio e a dor de cada pai sejam tomados como a ferida exposta de todo um país. Sem uma postura efetiva de quem queira tomar o assunto como prioridade absoluta. Em meio a uma ética de conveniência e ao progressivo abandono da estética. Numa palavra: a cobertura não é digna. A narrativa não é digna. A pulverização das notícias é indigna. Cada jornalista e cada internauta (mesmo aquele que não profanaria um cadáver) é também responsável por essa dor e por esse embotamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Adoraria ver publicado seu comentário, sua opinião, sua crítica. No entanto, para que o comentário seja postado é necessário a correta identificação do autor, com nome completo e endereço eletrônico confiável. O debate sempre será livre quando houver responsabilização pela autoria do texto (Cida Alves)